Simplicidade, previsibilidade, praticidade são fundamentais para restaurar a mobilidade global com segurança

Simplicidade, previsibilidade, praticidade são fundamentais para restaurar a mobilidade global com segurança

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) pediu aos governos que adotem medidas simples, previsíveis e práticas para facilitar a aceleração das viagens internacionais com segurança e eficiência com a reabertura das fronteiras. Particularmente, a IATA pediu aos governos que se concentrem em três áreas principais:

1. Protocolos de saúde simples
2. Soluções digitais para processar as credenciais de saúde
3. Medidas de COVID-19 proporcionais aos níveis de risco, com revisão contínua

A visão do setor para lidar com a complexidade da retomada é apresentada no documento publicado recentemente: From Restart to Recovery: A Blueprint for Simplifying Travel (Da retomada à recuperação: um plano para simplificar as viagens, em tradução livre).

“Como os governos estão estabelecendo processos para reabrir as fronteiras, de acordo com os compromissos assumidos na Declaração Ministerial da Conferência de Alto Nível da OACI sobre a COVID-19, o documento Blueprint os ajudará com boas práticas e considerações práticas. Nos próximos meses, precisamos expandir de aberturas de fronteiras individuais para a restauração da rede de transporte aéreo global, que pode reconectar as comunidades e facilitar a recuperação econômica”, disse Conrad Clifford, diretor geral adjunto da IATA.

O documento Blueprint tem como objetivo facilitar o aumento da conectividade com eficiência global. “Devemos ter processos em vigor para gerenciar com segurança e eficiência o aumento das viagens internacionais com a reabertura das fronteiras. Com mais de 18 meses de experiência operacional sofrendo o impacto da pandemia e feedback dos viajantes, sabemos que é essencial o foco na simplicidade, previsibilidade e praticidade. Essa não é a realidade hoje. Mais de 100 mil medidas relacionadas à COVID-19 foram implementadas por governos do mundo inteiro. Essa complexidade é uma barreira para a mobilidade global, que se agrava com as inconsistências que essas medidas criaram entre os estados”, disse Clifford.

Áreas principais

Protocolos de saúde simplificados: O objetivo deve ser a adoção de protocolos simples, consistentes e previsíveis.

As principais recomendações incluem:

● Eliminar todos os obstáculos às viagens (incluindo quarentena e teste) para os passageiros totalmente vacinados com uma vacina aprovada pela OMS.
● Permitir viagens sem quarentena para viajantes não vacinados com resultado negativo no teste de antígeno antes da partida.

Essas recomendações têm o apoio de pesquisas realizadas com viajantes, que revelaram o seguinte:

● 80% dos viajantes acreditam que as pessoas vacinadas devem poder viajar livremente;
● 81% acreditam que o teste antes da viagem é uma alternativa aceitável à vacinação;
● 73% acreditam que a quarentena não é necessária para viajantes vacinados.

Soluções digitais para processar as credenciais de saúde: O gerenciamento de credenciais de saúde para viagens (certificados de vacinação ou teste) deve ser feito de forma digital e permitir que os viajantes concluam o processo com antecedência para que cheguem ao aeroporto prontos para viajar. Isso facilitará o check-in automatizado, reduzindo as filas e os tempos de espera nos aeroportos.

As principais recomendações incluem:

● Uma credencial de saúde digital para registrar o estado de saúde. O European Digital Covid Certificate (EU DCC) é amplamente aceito e uma boa prática reconhecida, com 22 estados não pertencentes à UE atualmente mantendo acordos de equivalência com o EU DCC.
● Um portal na web ou aplicativo digital por meio do qual os passageiros podem enviar suas credenciais de saúde para viagens diretamente aos respectivos governos para verificação. O portal na web de Aruba e o aplicativo ArriveCAN do Canadá são bons exemplos para os outros países, e a plataforma Digital Passenger Declaration da Austrália promete agilizar ainda mais os processos. O IATA Travel Pass pode ser integrado a soluções dos governos para ajudar na coleta e verificação de dados. A IATA trabalha com vários governos, incluindo a Austrália, para garantir o processo de integração.
● Uma plataforma na web que forneça explicações claras sobre os requisitos de entrada adaptados ao status de residência de cada passageiro, estado de saúde, histórico de viagens e qualquer outra variável necessária. O portal Travelcheck do Federal Office of Public Health (departamento de saúde pública da Suíça) é um bom exemplo devido à sua facilidade de uso, simplicidade e clareza.

Essas recomendações têm o apoio de pesquisas realizadas com viajantes, que revelaram o seguinte:

● 88% apoiam certificados padronizados de vacinação e teste;
● 87% vão compartilhar dados pessoais de saúde por meio de um aplicativo se isso for reduzir o tempo de processamento;
● 73% acharam difícil entender as regras e os documentos necessários para realizar a sua viagem (passageiros que viajaram desde junho de 2020).

Medidas de COVID-19 proporcionais aos níveis de risco, com revisão contínua: O setor e os governos adquiriram uma grande experiência com a COVID-19. Isso vai continuar quando a COVID-19 se tornar endêmica. As medidas para a COVID-19 devem levar em conta esse conhecimento crescente, os níveis de risco em constante mudança e a tolerância da sociedade. Modificações de rotina nessas medidas podem aumentar a imprevisibilidade, o que causaria um impacto, mas revisões e ajustes regulares são necessários.

As principais recomendações incluem:

● Publicar as avaliações de risco que são usadas para tomar decisões relacionadas às viagens internacionais para aumentar a previsibilidade tanto para os consumidores quanto para o setor.
● Rever os processos atuais e aplicar cláusulas temporárias para as medidas de saúde pública e garantir sua validade apenas durante o tempo necessário.
● Desenvolver um roteiro para restaurar a conectividade da aviação no período pós-pandemia.

Essas recomendações têm o apoio de pesquisas realizadas com viajantes, que revelaram o seguinte:

● 87% acreditam que os governos devem encontrar o equilíbrio certo entre gerenciar a COVID-19 e permitir uma recuperação econômica.
● 86% acreditam que as fronteiras devem ser reabertas progressivamente com o aumento da vacinação e capacidade de teste.
● 85% acreditam que o uso de máscara a bordo é fundamental na pandemia, mas 62% acreditam que essa exigência deve ser eliminada assim que possível.

Seguindo em frente

“Viajar é importante. Antes da pandemia, cerca de 88 milhões de empregos estavam diretamente ligados à aviação. E a impossibilidade de viajar livremente por avião afetou a qualidade de vida de bilhões de pessoas. Sabemos que os viajantes se sentem confiantes com a implementação das medidas de segurança da COVID-19. Mas eles nos disseram claramente que a experiência de viagem atual precisa melhorar com informações mais precisas, processamento mais simples e soluções digitais. A Declaração Ministerial da Conferência de Alto Nível da OACI está alinhada aos compromissos assumidos pelo G20 G7 ao confirmar que os governos desejam restabelecer os benefícios sociais e econômicos da mobilidade global. Para isso, o setor e o governo devem trabalhar juntos com uma visão em comum sobre os processos que são convenientes para os viajantes, eficazes para os governos e práticos para o setor”, disse Clifford.

Veja o documento Blueprint. (em pdf)

Publicar um comentário