Espaço aéreo da Área de Controle do Terminal de São Paulo estreia nova estrutura

Espaço aéreo da Área de Controle do Terminal de São Paulo estreia nova estrutura

A nova estrutura do espaço aéreo da Área de Controle do Terminal de São Paulo (SAO TMA NEO) foi implementada em 20 de maio de 2021. Mais informações sobre as publicações aeronáuticas e procedimentos IFR podem ser encontradas aqui. O layout revisado permitirá o gerenciamento seguro e eficiente do crescimento projetado do tráfego em um espaço aéreo que cobre três aeroportos importantes: Guarulhos (GRU), Congonhas (CGH) e Campinas (VCP). Para esta nova estruturação foi necessária uma ampla colaboração entre a indústria e as autoridades aeronáuticas brasileiras. A IATA participou ativamente deste projeto, patrocinando um workshop sobre as melhores práticas de planejamento do espaço aéreo, bem como apoiando o desenvolvimento do novo conceito de espaço aéreo. Além disso, os especialistas da IATA no assunto prestaram apoio técnico em todas as etapas do projeto.


O projeto incluiu uma reestruturação completa da Região de Informação de Voo (FIR) de Curitiba, a fim de implementar novos pontos de saída/entrada para a nova Área de Controle de Terminal (TMA) de/para os principais aeroportos do sul do Brasil (Florianópolis, Porto Alegre, Curitiba), com o objetivo de prover mais capacidade ao sistema de Controle de Tráfego Aéreo, bem como aumentar as rotas diretas em horários de média e alta demanda.


Também foi necessária uma importante mudança nos limites entre as FIRs Brasília e Curitiba, a fim de inserir o ponto de entrada noroeste na jurisdição do Centro de Controle de Área (ACC) de Brasília. Isto permite uma melhor coordenação dos principais fluxos de tráfego para a Área SAO, que incluem voos de/para a Europa, os EUA e o nordeste do Brasil. Esta iniciativa tem o potencial de aumentar o uso de rotas diretas nas FIRs do Recife e Brasília.


Outra importante implementação do projeto TMA SAO Neo foi a reestruturação dos corredores de aviões e helicópteros operando segundo Regras Visuais de Voo (VFR), com o objetivo de evitar interferências entre aeronaves turboprops voando para aeroportos menores e aeronaves a jato operando para GRU, CGH e VCP. Esta iniciativa permitirá melhores perfis de subida e descida para aeronaves que operam nos principais aeroportos, evitando aproximações não estabilizadas e maior eficiência através de operações contínuas de subida.

Espera-se que a implementação da SAO TMA NEO adicione 10% na capacidade anual de espaço aéreo com base na demanda prevista para os próximos 10 anos, reduza a carga de trabalho dos controladores de tráfego aéreo e dos pilotos, reduza os tempos de espera e os atrasos devido à capacidade do espaço aéreo e remova as áreas de conflito, ao mesmo tempo em que melhora a separação das aeronaves. As estimativas baseadas na simulação de tempo acelerado de eficiência são economias entre 1,5% e 3% do combustível total usado para voar de e para a SAO TAM NEO – equivalente a 8.500 a 17.000 toneladas de combustível por ano – e evitar emissões de CO2 entre 27.000 a 54.000 toneladas a cada ano.


A IATA continuará trabalhando em estreita colaboração com seus membros e autoridades aeronáuticas para monitorar os ganhos reais obtidos com a implementação e identificar áreas adicionais de melhorias nas FIRs Brasília e Recife.

Publicar um comentário